domingo, 16 de maio de 2010

Nossa Senhora do Silêncio

                                       

Nossa Senhora do Silêncio (Knock - Irlanda)
                                           

Às vezes quando, abatido e humilde, a própria força de sonhar se me desfolha e se me seca, e o meu único sonho só pode ser o pensar nos meus sonhos. É então que me interrogo sobre quem tu és, figura que atravessas todas as minhas antigas visões demoradas de paisagens outras, e de interiores antigos e de cerimoniais faustosos de silêncio. Visito contigo regiões que são talvez sonhos teus, terras que são talvez corpos teus de ausência e desumanidade. Talvez eu não tenha outro sonho senão tu, talvez seja nos teus olhos, encostando a minha face à tua, que eu lerei essas paisagens impossíveis, esses tédios falsos, esses sentimentos que habitam a sombra dos meus cansaços e as grutas dos meus desassossegos. Eu não sei quem tu és. Que espécie de vida tens? Que modo de ver é o modo como te vejo? Como não te sonhar? Como não te sonhar Senhora das Horas que passam? Madona das águas estagnadas e das algas mortas. Consoladora dos que não têm consolação, Lágrima dos que nunca choram, Hora que nunca soa. Ópio de todos os silêncios, Lira para não se tanger, Vitral de lonjura e de abandono. Livra-me da religião, porque é suave; e da descrença porque é forte. Rezo a ti o meu amor porque o meu amor é já uma oração; mas nem te concebo como amada, nem te ergo ante mim como santa. Só tu, sol que não brilhas, alumias as cavernas, porque as cavernas são tuas filhas. Posso amar-te e também adorar-te porque o meu amor não te possui e a minha adoração não te afasta. Sê a Noite Total e que todo eu me perca e me esqueça em ti, e que os meus sonhos brilhem, estrelas, no teu corpo de distância e negação... Seja eu as dobras do teu manto, as jóias da tua tiara, e o ouro outro dos anéis dos teus dedos. Realizadora dos absurdos. Que o teu silêncio me embale, que o teu mero-ser me acaricie e me amacie e me conforte Anjo da Guarda dos abandonados. Tu não és mulher. Nem mesmo dentro de mim evocas qualquer coisa que eu possa sentir feminina. É quando falo de ti que as palavras te chamam fêmea, e as expressões te contornam de mulher. Mas tu, na tua vaga essência, não és nada. Não tens realidade, nem mesmo uma realidade só tua. Propriamente, não te vejo, nem mesmo te sinto. Ocupas o intervalo dos meus pensamentos. Por isso eu não te penso nem te sinto. Debruço-me sobre o teu rosto branco nas águas noturnas do meu desassossego, no meu saber que és lua.
.
[Fernando Pessoa]


3 comentários:

Sandra Rossi disse...

Olá Rita!

Encontrei seu blog navegando pela net e gostei muito, tanto que já estou te seguindo e tb te adicionei na lista de favoritos do meu blog.

Sou grande devota de Nossa Senhora, a nossa "mãezinha do céu"!

Dps passa lá no blog para vc conhecê-lo.
BJuS e fique com Deus!

Christhiany disse...

Que a paz possa está nesta família
tão abençoada por Deus....Continuo
buscando no Blog da sra um conforto
para minha saudade que é imensa,sei que ELE está junto ao Pai e Mãe do céu,juntamente comos seus entes tbm...Adoro navegar e buscar forças aqui no Caminhando com Fé...bjusss

Christhiany disse...

Que a paz possa está nesta família
tão abençoada por Deus....Continuo
buscando no Blog da sra um conforto
para minha saudade que é imensa,sei que ELE está junto ao Pai e Mãe do céu,juntamente comos seus entes tbm...Adoro navegar e buscar forças aqui no Caminhando com Fé...bjusss