domingo, 20 de abril de 2014

VIA LUCIS

VIA LUCIS

(Foto: site do Santuário de Fátima - Via Lucis)
Introdução

Presidente: Os dias quaresmais são muitíssimo importantes na vida dos cristãos. É durante esse tempo de preparação para a Páscoa que, provavelmente, procuramos intensificar os nossos exercícios espirituais para nosso próprio aperfeiçoamento. Com a celebração do dia da Ressurreição do Senhor ficámos extraordinariamente alegres, mas logo a seguir descuidamo-nos, esquecendo que o tempo que se lhe segue, quarenta e sete dias, persiste o denominado ciclo Pascal, que termina com a festa do Pentecostes. Nela festejamos o começo da Igreja edificada por Cristo, a sua consistência e o início da difusão como cumprimento do mandato do Senhor aos seus Apóstolos e a todos os baptizados no fogo do Espírito.
                        Para melhor o vivenciarmos, procuraremos trazer à memória com a “Via lucis”, ou Via Gloriosa de Jesus Cristo, a Sua presença em todos os momentos da nossa peregrinação em demanda da Terra Prometida, a caminho do Banquete final do Reino de Deus.
                        Saibamos saboreá-la em festa, como tempo de paz, de alegria e de interiorização do mandato que nos foi confiado no nosso Baptismo!

1.ª ESTAÇÃO
Jesus não está morto, mas vivo

Leitor 1:    “Não vos assusteis. Procurais Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou...” (Mc 16, 6).

Leitor 2:      Esqueçamos a tristeza, o abatimento, a penitência da quaresma e Jesus crucificado, porque Jesus está vivo!

Leitor 3:  “Cristo Ressuscitou”. Esta saudação materializa e proclama, o conteúdo essencial da nossa fé cristã: “festejamos a morte da morte”. O Senhor ressuscitou e presenteou-nos com a vida. Porém, mais do que isso, continua vivo e doando vida.

Presidente: Senhor, Tu continuas presente no meu dia-a-dia. Ajuda-me a ver-Te sempre vivo e actuante em tudo aquilo que faço, que vivo, que sofro ou que me alegra.

 Pai nosso... Ave Maria... Glória...

2.ª ESTAÇÃO
Provavelmente Jesus aparece a Sua Mãe

Leitor 1: É bem provável que Jesus tenha aparecido primeiramente a Sua Mãe, muito embora a Bíblia nada nos descreva sobre isso. Mas, não seria crível que o Senhor o não fizesse.

Leitor 2:  Seguramente que, no seu coração de Mãe,  Maria deveria ter guardado o pressentimento de que O reencontraria, pois Ele havia previamente anunciado a sua Ressurreição. Presumo que terá ficado imensamente feliz com o reencontro, pois sempre acreditou em tudo aquilo que seu Filho dissera. Assim se cumpria o que o Anjo havia profetizado na Anunciação.

Leitor 3:  O encontro com Jesus vivo é um momento de satisfação e alegria.
Acreditamos que “quem O vê, vê o Pai”, como Ele afirmou... ou mantemos dúvida sobre a Sua afirmação?

Presidente: Senhor Jesus, eu creio que apareceste a Tua Santa Mãe primeiro do que a mais alguém. Decerto que na alegria do reencontro lhe lembraste que Ela olhasse por nós, como lhe tinhas solicitado  anteriormente na cruz.
Auxilia-nos, Senhor, a produzir dentro de nós esta convicção da Tua companhia e do contínuo apoio de Tua santíssima Mãe.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...


3.ª ESTAÇÃO
Jesus ressuscitado descoberto pelos olhos da fé

Leitor 1:  ”«Mulher, porque choras? Quem procuras?» [...pensando ser o jardineiro] Maria Madalena disse: «Se foste tu que O levaste, diz-me onde O puseste para eu ir buscá-l’O» [...] Jesus disse: «Não Me toques, porque ainda não voltei para o Pai.»”(Jo 20,15.17).

Leitor 2:  Maria Madalena fez menção de lhe tocar. O Mestre disse-lhe que o não fizesse, porque ainda não entrara na glória do Pai.

Leitor 3:  Jesus vivo já não se manifesta de modo físico, como durante a Sua vida terrena. São os olhos da fé que o manifestam. Ele está a nosso lado e esta é a única mensagem que nos traz esperança e verdade.

Presidente: Senhor Jesus, quantas vezes passamos a Teu lado sem Te identificarmos. Podes ser o mais humilde dos artesãos, um jardineiro, um pedinte, uma criança, um velhinho, um marginalizado, um sem abrigo, um varredor de ruas... Todavia passamos adiante, acotovelamos, ou talvez choremos, mas não Te descobrimos.
               Ajuda-nos, Senhor, a estarmos vigilantes para Te identificarmos no aspecto que encarnas no nosso quotidiano.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

4.ª ESTAÇÃO
O encontro com os discípulos

Leitor 1:  “Ao anoitecer desse dia, estando fechadas as portas do lugar onde se achavam os discípulos por medo das autoridades dos judeus, Jesus entrou. Ficou no meio deles e disse: «A paz esteja convosco!» (Jo 20, 19)

Leitor 2: Os discípulos, estavam reunidos, mas com as portas fechadas, pois estavam atemorizados. Jesus, apesar dessa circunstância, entrou e saudou-os com a Sua paz.

Leitor 3:  O medo revela-se naqueles que enfrentam problemas de saúde, de idade avançada, de desgraças... temos medo de nós mesmos... ele corrói a paz dos corações, enche a alma de angústia porque a incerteza que se amplia resulta insuportável. Mas, mesmo com as portas do coração fechadas à Sua entrada, Jesus procura-nos, interpela-nos, dá-nos a Sua paz.

Presidente: Meu Senhor e meu Deus, ajuda-me a abrir totalmente os acessos do meu coração, para que possa afastar os meus temores e obtenha a Tua paz e a serenidade que ela me proporciona.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

5.ª ESTAÇÃO
Jesus vive na comunidade

Leitor 1:  “Dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos ficaram contentes por ver o Senhor” (Jo 20, 20)

Leitor 2:  Até os apóstolos, que tinham ouvido do próprio Senhor que ao terceiro dia ressuscitaria, tiveram dificuldades para aceitar o anúncio  da Sua ressurreição. Jesus repreendeu-os por causa da sua falta de fé e pela dureza de coração, pois não tinham acreditado.

Leitor 3:  À semelhança dos discípulos também nós pretendemos ver, para acreditarmos ... para sentirmos que Ele está realmente presente. Isso seria o nosso contentamento!

Presidente: Desculpa-nos, Senhor, porque só quando verificamos  o resultado  dos acontecimentos é que nos alegramos. Só assim temos a audácia suficiente para rejubilarmos, embora pressintamos que Tu estás sempre presente quando Te buscamos com sinceridade de coração.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

6.ª ESTAÇÃO
Jesus ressuscitado, envia os discípulos em missão

Leitor 1:  “Então Jesus disse-lhes: «Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda a humanidade». (Mc 16,15)

Leitor 2:  Ao saudá-los uma segunda vez na paz, para tranquilizar os seus corações alvoroçados, Jesus envia-os em nome de Seu Pai, com a bênção do Espírito Santo.

Leitor 3:  Sabemos que fomos baptizados no Espírito, para sermos enviados a anunciar a Boa Nova. Será que a paz e a graça recebidas aquando do nosso Baptismo nos consciencializaram da missão que nos foi transmitida?

Presidente: Abençoa-nos, Senhor, para que com a ajuda do Espírito Santo, sejamos fiéis ao Baptismo recebido, a fim de nos tornarmos mensageiros da Boa Nova, por palavras e através do testemunho das nossas obras, sem fraquejarmos perante as dificuldades encontradas.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

7ª ESTAÇÃO
Jesus ressuscitado manifesta-se à comunidade

Leitor 1:  “Tomé (...) não estava com eles quando Jesus veio (...) Os outros discípulos disseram-lhe: «Nós vimos o Senhor». Tomé disse: «Se não vir (...) não acreditarei»! Jo 20, 24-25)

Leitor 2:  Tomé não estava com eles quando Jesus se lhes manifestou. Por esse motivo não acreditou que Jesus estivesse vivo. Queria evidências... Queria certezas.

Leitor 3:  A certeza só é prova para a ciência experimental. Todavia, a fé não precisa de ver para acreditar, brota do coração, não dos olhos. Para um coração enamorado basta-lhe a idoneidade daquele que o rodeia e a verdade testemunhal de quem se ama e por quem se é realmente amado.

Presidente: Senhor, certamente, para muitos, as nossas palavras continuam soando “como delírio”. Se para alguns constituis motivo de zombaria, se por outros és caluniado, reinas, contudo, no coração dos fiéis. O testemunho autêntico daqueles a quem aparecestes e a Tua própria palavra são a certeza de que estás vivo. Todavia, em alguns de nós ainda persistem muitas dúvidas, porque somos homens e mulheres de pouca fé.
Perdoa-nos a nossa debilidade e auxilia-nos a crescer com fé na Tua Palavra e na Tua pessoa.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

8.ª ESTAÇÃO
 Jesus aparece de novo aos discípulos estando Tomé presente

Leitor 1:  “Uma semana depois, os discípulos estavam outra vez reunidos. Desta vez Tomé estava com eles (...) disse a Tomé: «Chega  aqui o teu dedo e vê (...) e não sejas incrédulo, mas crente». «Acreditaste porque viste. Felizes os que acreditam sem terem visto»”. (Jo 20, 26-29)

Leitor 2:  Tomé só acreditou vendo. Mas todos os outros, mesmo vendo, ainda duvidaram durante muito tempo.

Leitor 3:  Apesar da irregularidade da nossa fé em Jesus Cristo, Ele apelidou-nos de felizes, de bem-aventurados,  porque confiamos sem havermos tido a oportunidade de O ver. Isto deve servir-nos de consolação na nosssa existência.

Presidente: Estamos gratos, Senhor, pela satisfação de sermos designados de venturosos, apesar dos nossos muitos desaires. Pedimos-Te que aumentes a nossa fé na Tua pessoa e a sustentes em lealdade e congruência.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

9.ª ESTAÇÃO
Jesus no caminho dos homens

Leitor 1:  “Nesse mesmo dia, dois discípulos iam para uma aldeia, chamada Emaús (...) o próprio Jesus aproximou-se e começou a falar com eles (...) Então começando por Moisés e continuando por todos os Profetas, Jesus explicava aos discípulos as passagens da Escritura que falavam a respeito d´Ele (...) Sentou-se à mesa com os dois, tomou o pão, abençoou-o, depois partiu-o e entregou-lho. Os olhos dos discípulos abriram-se (...) «Não ardia o nosso coração quando Ele nos falava...»” (cf .Lc 24, 13-35)

Leitor 2:  Sem ser reconhecido, Jesus caminha lado a lado com dois discípulos. Somente quando o coração deles se abre ao entendimento da Palavra e presenciam o partir do Pão é que o seu coração se inflama e reconhecem a Sua presença e o Seu contacto.

Leitor 3:  Senhor Jesus, Tu acompanhas-nos sempre na nossa peregrinação terrena. Estás connosco nas nossas aflições e nas nossas dores. Poucas vezes, porém, conseguimos sentir a Tua presença a nosso lado, para conseguirmos ouvir com atenção o que nos pretendes dizer...

Presidente: Continua, Senhor, a acompanhar-nos em todas as ocasiões da nossa existência. Ajuda-nos a sentirmos o coração entusiasmado pela Tua presença, a fim de que o ilustremos, com ardor, a todos quantos privam connosco.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

10.ª ESTAÇÃO
Jesus ressuscitado aparece a Simão

Leitor 1:  “... «Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão». (disseram os outros aos discípulos de Emaús) (Lc 24, 34)

Leitor 2:  Certamente que este primeiro encontro de Simão com o Mestre terá sido um pouco comprometedor para Pedro. Na conversa que tiveram, Pedro terá ficado em silêncio? Decerto ficou surpreendido e envergonhado, mas pensativo!...

Leitor 3:  Alguma vez teremos experimentado na nossa vida presenças do Mestre? Estaremos vigilantes para nos darmos conta dessas presenças? Quando? Onde? Como? Somos resistentes a elas ou respeitosamente obedientes?

Presidente: Que o nosso testemunho, Senhor Jesus, faça crível a Tua presença de ressuscitado em todos os momentos da nossa vida: na manifestação da nossa alegria; na vivência em comunidade eclesial;  quando comungamos; quando Te descortinamos nos que precisam; quando reencontramos a paz connosco, com os outros e contigo; quando a Tua presença nos estimula a consciência de serviço apostólico.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

11.ª ESTAÇÃO
Na margem do Mar de Tiberíades Jesus aparece aos discípulos

Leitor 1:  “... na margem do Tiberíades (...) eles (Pedro e os discípulos) entraram na barca (para pescar). Mas naquela noite não pescaram nada. Quando amanheceu, Jesus estava na margem (...) Logo que saltaram para terra, viram um peixe nas brasas e pão”. (cf. Jo 21, 1-14)

Leitor 2:  Apesar de uma noite inteira de trabalho os discípulos nada conseguiram pescar. À palavra de Jesus, que se encontrava na margem, conseguiram uma tal abundância de peixe que quase se rebentavam as redes.

Leitor 3:   A comunidade cristã que age sem estar unida à pessoa e missão de Jesus continua na escuridão sem produzir frutos, pois trabalha sem perceber a presença do Ressuscitado e sem conhecer o modo correcto de realizar a acção.
A nossa ciência, a nossa aptidão, o nosso saber, nada alcançam se Tu não estiveres presente e não desenvolveres a nossa actividade.

Presidente: Senhor Jesus, acreditamos que somente contigo por perto conseguiremos levar a cabo os nossos intentos. Faz-Te presente na nossa actividade de todos os dias. Que nunca desejemos agir  sem que estejas presente como conselheiro e consolidador, dando sentido a todo o nosso trabalho.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

12. ª ESTAÇÃO
Para dirigir a comunidade é preciso amar

Leitor 1:  “Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: «Simão, filho de João, amas-me mais do que estes?» Pedro respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo». Jesus disse: «Cuida dos meus cordeiros» (...) Então Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava” (Jo 21, 15-17)

Leitor 2:  Enquanto Jesus falava corajosamente diante das autoridades, Pedro não foi capaz de vigiar e cai na tentação de abandonar o seguimento do Mestre. Nega-O cobardemente, por três vezes, diante de pessoas simples. À tríplice pergunta de Jesus se O amava, Simão, lembrado das vezes que negara o Senhor, ficou triste. Com sincero arrependimento, mas com pesar, três vezes repetiu o seu amor.

Leitor 3:  O Senhor, mantendo aquilo que anteriormente lhe tinha dito, confirmou nele toda a Sua confiança como chefe da Igreja que constituíra. Garantiu-lhe o poder de governar no amor, em comunhão com os restantes apóstolos, essa mesma Igreja,.

Presidente:Nós Te louvamos e bendizemos, Senhor Jesus, pois na Tua infinita misericórdia até das coisas más, mesmo quando Te negamos, nos manténs como proclamadores da Boa Nova, insistindo em confiar na nossa actuação, se a desempenhamos com amor.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

13.ª ESTAÇÃO
Jeus ressuscitado promete a vinda do Espírito Santo

Leitor 1:  “Foi aos Apóstolos que Jesus, com numerosas provas, Se mostrou vivo depois da Sua paixão: durante quarenta dias apareceu-lhes e falou-lhes do Reino de Deus. (...) Jesus deu-lhes esta ordem: «Não vos afasteis de Jerusalém. Esperai que se realize a promessa do Pai (...) vós, dentro de poucos dias, sereis baptizados com o Espírito Santo»” (Act 1, 3-5)

Leitor 2:  Jesus ressuscitado continua presente e actuante dentro da história “até ao fim do mundo” (Mt 28, 20). Confirma isso apresentando-Se vivo aos seus discípulos, falando-lhes do Reino de Deus, instruindo-os para serem suas testemunhas e confirmando-lhes a assistência permanente do Espírito Santo.

Leitor 3:  Ainda hoje permanece imutável a Sua promessa. Cada um de nós foi baptizado no Espírito Santo e é tarefa apostólica de todos os cristãos testemunhar o Reino de Deus ao mundo inteiro, começando na família e alargando-se a todos os lugares onde nos movemos e existimos.

Presidente: Senhor Jesus, nós queremos ser fiéis ao Baptismo recebido. Ajuda-nos a tomarmos plena consciência de que somos templos vivos da morada do Espírito Santo.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...


14.ª ESTAÇÃO
Ao fim de quarenta dias Jesus sobe ao céu

Leitor 1: “Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi arrebatado ao céu e sentou-Se à direita de Deus”. (Mc 16, 19)

Leitor 2:  A Ascensão de Jesus é um modo de falar sobre o Seu regresso para o mistério da vida de Deus. Executara no Seu aspecto corpóreo o mandato neste mundo. Todavia não nos abandonou!...

Leitor 3:  Ele continua connosco nos atalhos deste mundo. Está presente na  Sua Palavra; no seio da comunidade eclesial; realmente presente na Sagrada Eucaristia; em cada um dos nossos irmãos e irmãs com quem diariamente nos cruzamos; presente também em cada um de nós. Continua presente nas alegrias e nas tristezas; na saúde e na doença, nas horas mais fáceis e naquelas mais difíceis.

Presidente: Abre os nossos olhos, Senhor Jesus, para que Te vejamos presente nas coisas mais comuns e naquelas mais complexas, a fim de que a Tua contínua presença no meio de nós se torne uma realidade na nossa vida, a fim de que Te possamos testemunhar, perante todos os homens. É assim que haveremos de preparar os “novos céus e a nova terra” que prometeste e em que Deus se tornará “tudo em todos”.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...

15.ª ESTAÇÃO
Jesus cumpre a promessa

Leitor 1:  “Quando chegou o dia de Pentecostes, os apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar. Subitamente, fez-se ouvir, vindo do céu, um rumor semelhante a forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo, que se iam dividindo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem”. (Act 2, 1-6)

Leitor 2:  O Espírito Santo faz lembrar, compreender e continuar o testemunho de Jesus (cf. Jo 14, 16-26) e reafirma o cumprimento da Sua promessa de nos não deixar sozinhos.

Leitor 3:Com a vinda do Espírito Santo é suprida a antiga lei para se transfigurar na nova lei para o cristão. É o anúncio e ao mesmo tempo a denúncia e o julgamento de toda a organização injusta, sempre motivadora de morte.

Presidente Que o Espírito Santo, Senhor, se converta para nós num coração renovado e vida de Deus que nos transforme e fecunde.  Que se torne força no combate, calcine todas as nossas deficiências e nos conserve unidos na multiplicidade, a fim de recordarmos tudo o que Jesus nos ensinou, para chegarmos sem desvios è Verdade total. Amém.

Pai nosso... Ave Maria... Glória...




Nenhum comentário: